sábado, 9 de fevereiro de 2013

2

Desafio Realmente Desafiante #2 – A Estrela Mais Brilhante do Céu

 

Post do Desafio Realmente Desafiante proposto pelo blog Psiu que eu tó lendo.

O primeiro desafio já foi, e para o segundo fiquei um pouco indecisa por onde começar.

Mas optei por tirar da lista (e da minha estante de não lidos) o último livro disponível e publicado no Brasil, de uma das minhas escritoras favoritas da atualidade. 

Por isso, resolvi encarar o desafio de:

Ler um livro cujo título tenha mais de 5 palavras

 Livro Escolhido: A Estrela Mais Brilhante do Céu

http://1.bp.blogspot.com/--fAH2DjwlQs/Tqcj3y9IH_I/AAAAAAAAE14/7Mtr22DBtao/s1600/Pedri.jpg

Há várias boas escritoras na atualidade.

Claro, que dentro da opinião de cada um, o conceito de ‘boa’ pode mudar, e no caso de Marian Keyes, eu encontro opiniões muito dvergentes.

Tem os que amam, e os que não sentem nada de especial.

Eu estou no primeiro grupo. =D

Li Melancia, seu primeiro livro publicado no Brasil e o mais famoso, no meu primeiro ano de faculdade, a exatamente 6 anos atrás. ( Velhaaaa!)

Aos poucos, ao longo desses 6 anos cheio de fases de transformações e mudanças, eu fui lendo cada um dos seus 10 livros lançados no Brasil, alguns deles, você pode ver a resenha aqui.

Faltava o último, The Brightest Star in the Sky no original , que vinha com um agratavante:

Era o último livro da Marian em um longo tempo, e não havia notícias que ela teria um livro sendo lançado tão cedo (deveria haver, mas eu estava sem saber).

Mas não tive opção, já que aquela coisinha dentro de nós, insiste que quer ler, e resolvi comprar o livro e encarar o fato de que talvez teria que viver um longo tempo sem um livro novo dela.

Felizmente, esse tempo será mais curto, porque ela lançou no final do ano passado ela lançou, The Mystery Of Mercy Close, livro da Helen, a última irmã da família Walsh que faltava.

Ali estava eu, completamente liberada para ler o livro!

E essa é a única desculpa, que eu consigo encontrar para esse livro ter ficado quase 5 meses na minha estante, sem ser lido.

“O sentimento era real, porque o coração deles vibrava em perfeita harmonia.”

A estória do livro:

Existe um misterioso espírito que paira sobre o edifício número 66 da Star Street, em Dublin, Irlanda. Ele está em uma missão para mudar a vida de alguém.

Em A Estrela Mais Brilhante do Céu, Marian Keyes demonstra mais uma vez sua técnica como uma dos grandes contadores de histórias da atualidade e sua vontade de ultrapassar limites na literatura.

Os inquilinos do prédio 66 formam certamente um grupo excêntrico. Na cobertura mora Katie, uma mulher de 39 anos que trabalha como relações públicas de cantores e que só se preocupa com o tamanho de suas coxas e se seu namorado irá propor casamento.

No apartamento abaixo, dividem o espaço dois poloneses mais a engraçada Lydia. No primeiro andar está Jéssica, a octogenária que vive com seu malvado cachorro e o filho adotivo.

Já no térreo estão os recém-casados Maeve e Matt, que por mais que tentem esquecer o passado, não conseguirão.

Logo na capa do livro, Marian surpreende falando de cara que esse é o seu livro preferido. Não que um autor não tenha a sua liberdade de escolher um livro preferido, só foi inesperado.

Como os outros livros de Keyes, ela usa vários personagens com um ponto em comum ou ligação para contar a sua estória. Na maioria das vezes, um personagem me agrada mais que o outro.

Mas no caso desse, eu gostei de todos!

A trama de Matt e Maeve me deixou com coração na mão, e nervosa, em vários momentos, onde não consegui entender o que estava contecendo ali. Lydia é desbocada e não sabe o que quer, mas tem bom coração e faz aquilo que deve, quando a hora chega.

Katie, é a típica mocinha dos livros da Marian, meia idade, coma carreria começando a ir para o brejo e sem perspectiva de casamento a frente.

Enquanto Fionn é um chato de galocha, mas entendi a necessidade de inseri-lo na trama, para que alguns pontos de ligação fossem feitos.

Geralmente nunca dá para saber o que esperar dos lviros da Marian, e como foi apontado por diversas pessoas (porém alguém teve que me falar para eu perceber), os livros da Marian tem a sua parte depressiva.

Sim, na maioria das vezes o personagens tem um término agradável, mas isso não quer dizer que ela não tire, dentro da sua média de 600 páginas por livro, para fazer eles ( e nós, por tabela) sofrerem um pouco.

O fato de não ter percebido por conta própria que os livros dela são um tem esse toque de tristeza, é exatamente porque gosto de ler estórias que são verdadeiras com a realidade.

Sim, há pessoas que tem uma família normal e feliz? Sim!

Mas tem várias fámílias com uma mãe louca, um pai brincalhão, mas que está a mercé da sua mulher, e das cinco filhas que o casal teve.

Cada uma dessas filhas, apesar de terem sido criadas da mesma forma, forma submetidas a experiências diferentes. Então, pra mim é perfeitamente normal, que elas passem por vários desafios ao longo da vida. Alguns são mais simples, e outros são completamente tristes ( A.K.A. livros das irmãs Walsh).

Mas A estrela, diverge de todos, apesar do tema um pouco sombrio, é o livro mais esperançoso e ‘alegre’ de Marian. Alegre no sentido de passar uma mensagem positiva.

Vocês podem ficar um pouco confusos no começo,  com o contexto e com a narração, mas quem ficar atento logo vai descobrir o que exatamente está acontecendo.

No final, eu consegui entender porque esse é o livro favorito da Marian. Não é o meu favorito dela (esse título ainda é de Tem Alguém Aí?), mas segue uma linha tão única dos livros dela, que se destaca, e brilha.

Talvez o título, também seja uma analogia para o que ela sente em relação a sua obra?

Fanny Ladeira

article-1241143-0114B36700000578-786_233x440

Marian Keys é uma das grandes escritoras da atualidade. É irlandesa, formada em direito e ex-alcoólatra, os seus livros fazem sucesso no mundo inteiro, e o Brasil não ficou para trás.
Os seus livros ganharam uma nova vida no mercado brasileiro, com o lançamento de alguns títulos (Melancia e Férias!?!) em uma edição econômica e mais compacta que a original.
Conheça o site oficial da autora, que tem um design muito fofo: http://www.mariankeyes.com/

2 comentários:

  1. Esse foi o primeiro livro dessa autora que comprei. Uma indicação maravilhosa de uma amiga. Eu o adoro de montão!!!

    bjus
    terradecarol.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu gostei muito desse livro também. Principalmente pela abordagem que a autora dá para um assnto tão delicado.

      Keyes sabe o que faz.

      Excluir

Obrigado por comentar!


Agora peça um delicioso prato ao nosso chef, e continue a sua visita pelo O Restaurante do Fim do Universo.

Fanny Ladeira!